Como vencer a Depressão



A Depressão é uma doença complexa e se divide em vários tipos, várias categorias, cada qual com características e intensidade diferentes.

Assim sendo, uma pessoa com Depressão pode ser tanto aquela que não tem força para sair da cama, como também a que sofre internamente sem demonstrar aos demais com quem convive.


Reconhecida popularmente como “o mal do século”, o tema Depressão aparece massivamente em várias midias: tv, revistas, jornais, filmes, séries entrevistas, artigos e dicas ou fofocas, entrevistas com especialistas (ou não) sobre a depressão, informações em geral na internet. Um tema que, de tão presente em nossas vidas, atrai atenção e por isso a busca frenética por audiência nos inunda com informações muitas vezes inconsequentes.

Tão presente, que todos nós nos sentimos capazes de falar sobre ela, então, se um amigo relata estar desanimado hoje, alguém já "diagnostica" logo: é Depressão! Ou quando sente alguma tristeza, algumas pessoas buscam logo se automedicar.

Atualmente, com a internet, a população em geral tem mais acesso à informação, esso é muito positivo por um lado, entretanto, negativo por outro pois acaba por banalizar a Depressão por conta de muita informação ruim, algumas vezes equivocadas e outras até mesmo irresponsavelmente enganosas.

Neste cenário, vemos pessoas cada vez mais se autodiagnosticando e se automedicando, sem se dar conta dos riscos dessa prática.

Dados de uma pesquisa realizada em 1996, apontam que no Brasil, a automedicação é praticada principalmente por mulheres entre 16 e 45 anos, sendo que 51% das escolhas de medicamentos se baseiam em recomendação de outras pessoas e 40% repetem prescrições anteriores.

Somente um psicólogo ou psiquiatra podem avaliar um quadro de depressão e, se for o caso, indicar o melhor caminho para o tratamento.

Por isso, nosso objetivo através deste artigo é esclarecer os leitores, acerca do problema, apresentando alguma informação que possa ajudar a reconhecer sinais de uma possível Depressão e compreender a importância de buscar apoio profissional para uma avaliação segura.

Entre os vários tipos de Depressão, algumas pode ter sua causa em algum disturbio hormonal como por exemplo um hipotireoidismo, fatores hereditários.

Alguns tipos podem ser causados pelo uso de algum medicamento ou substância licita ou não, ( neste caso a depressão seria mais um sintoma que uma Doença ).

Pode também ser do tipo Endógena, quando tem sua causa em alterações bioquímicas do corpo, sendo nestes casos indicado o tratamento com medicação através de um psiquiatra.

Existe também a Depressão do tipo Endógena, por causas psiquicas profundas, como bloqueios, traumas e falhas no funcionamento psíquico.

Nestes casos sua causa sendo de fundo incosciente, deve ser tratada através de psicoterapia profunda, de longa duração, como por exemplo a Psicanálise.

Existem ainda as do tipo Exógena, que tem como causa eventos da vida do indivíduo e a forma como este lida/reage em tais situações.
Neste tipo, ela pode surgir a partir de eventos da vida como luto, divórcio, perdas de emprego e outras situações estressantes e difíceis.

Por isso, quando uma pessoa mostra sinais e sintomas que podem indicar uma depressão é preciso observar se ela está passando por momentos de transição em sua vida como desemprego, separação, perdas, luto, ou se não existe motivo aparente. Estes casos o mais indicado é a psicoterapia.

Essa observação será útil tanto na decisão sobre qual profissional buscar num primeiro momento, como na própria avaliação do profissional para indicar a terapeutica adequada: psicoterapia e/ou medicação. É importante salientar que um indivíduo pode manifestar a Depressão de vários tipos ao mesmo tempo: exógena e endógena combinadas.

Não podemos também julgar uma pessoa por não conseguir lidar com situações da vida.
Todos nós passamos por problemas difíceis, momentos de transição, perdas, porém cada indivíduo tem seus recursos internos próprios e isso vai determinar como ele consegue lidar com momentos importantes da vida.


Algumas têm maior dificuldade que outras e acabam por viver um sofrimento tão grande que se isolam e acabam por entrar em um quadro depressivo.

A Depressão é, na maioria das vezes, relatada na mídia como tristeza mas ela não é exatamente isso.

Pacientes que vivenciam a Depressão, relatam mais uma falta de energia e de perspectiva de vida, falta de ânimo e vontade para fazer as coisas que normalmente lhe dava prazer, relatam o mundo como tendo perdido o colorido, vêem tudo cinza e o resultado final é um sentimento parecido com tristeza.

Para as pessoa à sua volta, é que o comportamento do indivíduo que sofre de Depressão sugere uma tristeza.

Existem, também, pessoas mais sensíveis aos fatos da vida, que mesmo não estando em um quadro Depressivo, mostram uma ansiedade tão grande que leva a uma falta de energia e consequente desânimo e tristeza em lidar por exemplo com dificuldades financeiras. Estes casos, nem sempre é uma Depressão e é possível tomar algumas medidas para evitar, prevenir ou pelo menos amenizar a intensidade deste sofrimento, através de hábitos simples como alimentação, atividade física, suporte afetivo familiar entre outros.


Por: Roberto Dantas Vieira é Psicólogo em São Paulo, possui Formação em Psicanálise, graduação em Psicologia e Sociólogia com Especializações em: Psicologia Hospitalar e Teoria Psicanalítica além de Mestrado em Psicologia.

Compartilhe este artigo com seua amigos:

Commentários

Ivanilda

Estou precisando disso.

07 de maio 2018 - 0:00AMReply

João Batista Socorro

Tenho 5 anos de formado e ainda não consegui, não sei por onde começar. PReciso de ajuda.

Maio 01, 2018 - 7:40AMReply

O que achou do artigo? Comente!


Obs importante: Seus dados ficarão protegidos. Só divulgaremos primeiro nome e comentário.


Posts mais recentes

Amor Submisso e Amor Dominante

Por: Roberto Dant. 04/2018


laços de amizade e aceitação Laços de Amizade e Aceitação

Por : Marco Antonio Luz. 04/2018


a-dependencia-emocional-ou-dependencia-ao-outro.php

Por: Marilia Souza 04/2018


Dependência e Co-dependência Afetiva

Por : André Grinb. 04/2018